sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Mais um sonho !!!!!

Ontem antes de dormir pedi a Deus que me orientasse, que me desse um sinal sobre o que vem acontecendo e que me ajudasse a descobrir se estou agindo ou não corretamente. Então eu sonhei.
Sonhei que eu e minha amiga de consultório tínhamos uma escola. Devia ser para idosos, pois além de nós duas e de seu filho pequeno, só tinha a nossa volta pessoas idosas. Como sempre lembro de algumas coisas muito bem e outras são apenas flashs. Então tinha uma senhora idosa, alta , magra, loura e que eu gostava muito. Em dado momento estávamos em um salão de festas e os velhinhos dançavam e nós os observávamos do alto. As velhinhas dançavam a valer, fazendo altas coreografias. A dança acabou e minha amiga disse que os velhinhos tinham ficado com ciúmes e acabaram com a dança. Nesse momento lembro de ver um antigo paciente que já faleceu de câncer e que eu acompanhei até o final.
Lembro também que a velhina loura foi embora e que eu percebi que ela tinha ido embora sem que eu conseguisse dar a ela um dinheiro. Acho que era o troco da mensalidade. Então enquanto eu ia atrás dela para devolver o dinheiro lembrei que não estava fazendo nada errado, pois ela tinha pago o mês de dezembro inteiro e teríamos aulas só até o dia 15, mas isso é comum em todas as escolas. Todo mumdo paga o mês completo, mesmo que não tenha aula. Fiquei mais tranquila ao me dar conta disso. Eu não estava fazendo nada de errado.
Ai já estávamos eu minha amiga e seu filho numa loja, onde fomos muito bem atendidos um por adolescente. Mas lembro que eu estava o tempo todo incomodada com o dinheiro da velhinha. A loja era enorme e acabamos os três em um lugar que parecia um depósito ou lugar de descanso dos jovens, pois haviam vários deles lá. Ao reconhecer o que me atendeu agradeci e falei:
- Você está de parabéns, pois foi muito gentil, educado e me atendeu muito bem. Gosto de ser bem atendida, não gosto de voltar aos lugares onde não sou bem atendida ou bem recebida. Gostei muito de você.
Logo depois estávamos numa área aberta  e tinha um templo muito bonito, porém as colunas estavam quebradas e danificadas, com muitas falhas aparentes. Minha amiga estava entrando com seu filho e me falou baixinho:
- Entra, pega um dinheirinho e entra e agradece, não custa nada, é só um pouquinho.
 Lembro que estava para entrar, não sei se entrei ou não. Lembro de uma estrada de chão bem conservada e seca com um belo rio ao lado. O rio tinha águas escuras, mas eram calmas. Era um rio tranquilo. Fazia uma curva no caminho. Lembro também de estar querendo comprar algo e de estar explicando algo para o filho de minha amiga que também não lembro o que era. O sonho acabou.
Vamos por etapas.
Tivemos ontem uma reunião de irmãos para decidirmos se devolvíamos ou não o cartão do banco para mamis. Teve muita briga e muito choro. Uns a favor, outros contra e todos ao seu modo tinham razão, nenhum de nós estava errado, todos estávamos certos.
Eu e minha amiga somos psicólogas, subentende-se que devemos ensinar as pessoas a lidar com suas vidas, a distinguir o que está certo e o que está errado em suas vidas. Por isso a escola.
A velhinha está muito mais parecida comigo fisicamente do que com mamis. Me sinto usada por ela o tempo todo. Estou o tempo todo dando dinheiro a ela. Nem sempre é de boa vontade. Tenho a impressão de que acabamos com o baile dela ao pegar o cartão de crédito. E tentamos compensar dando sempre um dinheirinho, apesar de não termos agido errado. Carregamos uma culpa que não é nossa. Um dos meus irmãos disse que ela precisa de atenção, de carinho e não de cartão de crédito. Ao que outros responderam que não, que ela quer dinheiro. Nesse momento falei que sempre a chamo para passear e ligo para marcar visitas, mas ela está sempre ocupada.  ELA NÃO QUER A MINHA COMPAINHA, QUER APENAS O MEU DINHEIRO. Mas todos pagam a mensalidade completa, mesmo que não tenha aulas o mês todo. Temos que pagar a nossa também.
É um fato, é triste, mas é isso ela quer, dinheiro. Estamos sempre lhe dando dinheiro, parece que apesar de sabermos que não estamos fazendo nada errado, devemos lhe dar dinheiro, é nossa obrigação. Ela nos cobra, que nos criou, que nos deu as coisas e que agora é nossa vez. Também está certa. A vida inteira fez grandes bobagens financeiras, é compulsiva, precisa de tratamento, mas ninguém consegue convencê-la de ir ao psiquiatra.
O jovem atendente me remete a falta de vontade que tenho de ir a sua casa, pois não me sinto bem recebida. Fazem muitos anos, meu filho era ainda criança e me disse:
- Não gosto de vir na casa da vó, ela sempre bate a carteira de gente, sempre saimos sem dinheiro, qualquer dia ela nos toma a chave do carro e voltamos a pé. Não quero mais vir aqui.
Continuando o sonho, saimos para a rua e encontarmos o templo, com as colunas abaladas,quebradas e falhadas. Agora sim é mamis. Uma mãe é o templo onde toda a família encontra forças, cuidados e carinho. O nosso templo está quebrado, abalado e falhado. Mas mesmo assim devemos pegar um dinheirinho, entrar e agradecer, não nos custa nada. Pois do lado tem a estrada, de terra bem conservada, com um lindo rio de águas escuras e calmas que é papis. As águas escura nos diz claramente sobre o mistério de seus pensamentos em relação a tudo isso. Ontem ele chegou no auge da discussão, mas não se meteu, ficou lá fora agoniado mexendo em suas plantas. Mas papis é assim como aquela estrada firme e segura apesar de rústica e também é tranquilo e calmo como aquele rio.
É chorando que entendo tudo isso e é chorando que digo que pagarei qualquer dinheiro do mundo para nunca mais ver aquela agonia nos olhos do meu pai. Era a tranquilidade do meu pai que eu queria comprar, era sobre ela que eu falava ao filho da minha amiga.
E se pude acompanhar com carinho, cuidado e atenção até o último momento de vida um paciente, que no início do tratamento era um estranho e de quem nunca cobrei um só centavo, porque não posso fazer isso também com minha mãe. Oremos por muita calma e paciência, para todos nós filhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário